Menu

Assessor jurídico do Sindetranscol pede apoio dos vereadores na aprovação do projeto de subsídio ao transporte coletivo

Assessor jurídico do Sindetranscol pede apoio dos vereadores na aprovação do projeto de subsídio ao transporte coletivo

Léo Bittencourt, assessor jurídico do Sindicato dos Empregados nas Empresas Permissionárias do Transporte Coletivo Urbano de Blumenau, Gaspar e Pomerode (Sindetranscol), ocupou a tribuna livre na sessão desta quinta-feira (10) para pedir apoio dos vereadores para a aprovação do projeto de lei que autoriza a prefeitura a conceder subsídio orçamentário à tarifa de transporte coletivo urbano em razão da pandemia da Covid-19.

Ele explanou sobre a dificuldade da operação do transporte coletivo urbano em Blumenau, uma vez que a empresa tem operado pouco desde março, por isso alegou dificuldades em pagar os trabalhadores, que estão sem receber remuneração ou parte dela desde o mês de julho. Apontou que essa situação coloca os trabalhadores em dificuldade, e o Sindicato tem distribuído cestas básicas.

Apontou ainda que o transporte coletivo urbano tem mostrado em todo o país que o pagamento da tarifa apenas pelo usuário não sustenta a operação, e leva ao caos, como o momento atual. Defendeu a necessidade de aporte de recursos do poder público no transporte coletivo.

Explicou ainda que o transporte foi definido em 2015 como um direito social, assim como já são a educação e a saúde. “Não vejo outra saída para o Brasil de não ter poder público aportando recursos para o transporte. Não estou fazendo defesa da empresa que opera, pois ela está ciente responsabilidades, porém a pandemia traz dificuldades de operação e recursos para a empresa, e isso faz com que se tenha que buscar saídas”, disse.

Bittencourt afirmou ainda que foi designado pela direção do sindicato para fazer a fala em nome da instituição, pedindo aos vereadores para que deem atenção ao projeto que autoriza a prefeitura a realizar o aporte de recursos na empresa. “Existe uma negociação entre a Blumob e o sindicato para que esse dinheiro, ao chegar, seja utilizado para pagamento de salários atrasados e vale alimentação”, esclareceu.

Sobre as demissões na empresa, disse que foram revertidas judicialmente e agora está ocorrendo o processo negocial com os trabalhadores. Afirmou que alguns querem deixar de trabalhar na empresa e por isso iniciou o processo de rescisão voluntária, com o pagamento dos direitos de todos os trabalhadores, que é um processo longo. Ao final, apontou que a empresa buscou negociar somente no momento em que foi obrigada a fazê-lo.

Veja Também!

Galeria de Fotos do Instagram

 


Fonte: Assessoria de Imprensa CMB | Foto: Lucas Prudêncio – Imprensa CMB

 

This is a unique website which will require a more modern browser to work!

Please upgrade today!

Skip to content